24 Janeiro 2022 - 09:57

Hospital da Criança aposta em nutrição com ludicidade na recuperação dos pequenos pacientes

Ascom/SES
As crianças internadas recebem 6 refeições por dia

O Hospital da Criança Dr. José Machado de Souza, equipamento da Secretaria de Estado da Saúde (SES), tem investido na personalização do cardápio oferecido aos pequenos pacientes da unidade hospitalar.

"O hospital pretende com essas ações, minimizar o efeito traumatizante que é a hospitalização das crianças, pois, elas vivenciam situações que podem gerar medo e angústia devido ao afastamento do seu ambiente familiar”, explana a superintendente do Hospital da Criança, Catharina Correa Costa.

A equipe responsável pela rotina alimentar do hospital, é composta por 16 profissionais que se distribuem em funções como higienização, controle de temperatura e qualidade do alimento. As crianças internadas desfrutam de 6 refeições por dia: café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. As refeições passam por duas avaliações (provas) antes de serem encaminhadas para os pacientes, a primeira é com a nutricionista da Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) e, após isso, todo alimento produzido é avaliado pelas nutricionistas do Serviço de Nutrição e Dietética (SND).

“Existe muito cuidado desde o preparo até a distribuição. Todos os alimentos são cortados a partir da quantidade de pacientes e nada é reaproveitado. Eu quero que as crianças se sintam em casa, nos esforçamos para que elas desconstruam a ideia de que alimentação de hospital é ruim. A nossa satisfação é ver nossos meninos e meninas olhando para o alimento e se sentindo felizes, pois, o preparamos com muito carinho e responsabilidade, por isso, caprichamos no sabor e na decoração dos pratos. A crianças, muitas vezes, não tem aceitabilidade ao alimento, então, queremos que elas ao abrirem as quentinhas, vejam algo curioso, bonito, divertido e não uma obrigação. ”, fala com paixão a nutricionista da empresa Nutril Refeições, Juliana Rodrigues.

Para Carla Bamberg, nutricionista do Hospital da Criança e vice-presidente do Conselho Regional de Nutricionista BA/SE, uma das responsáveis por provar diariamente os pratos que serão oferecidos à criança, é fundamental o diálogo com os responsáveis e com as crianças para que o cardápio seja adaptado a cada realidade alimentar. “Temos uma padronização de cardápio, fazemos um planejamento junto com a empresa que fornece a alimentação. Além disso, diariamente conversamos com as mães e as crianças para identificar os hábitos, a cultura, os motivos que fez a criança dar entrada no hospital, além disso, observamos se a criança está desnutrida ou com sobrepeso. Percebendo-se que há algo errado com a alimentação, orientamos as mães a modificar”, explica.

A profissional explica que tem sido recorrente o número de atendimentos relacionados à alimentação inadequada. “Estamos em época de síndromes respiratórias, porém, aqui no hospital não é somente esse o foco. Por exemplo, na última quinta-feira, quatro crianças entraram aqui desnutridas e outras com prisão de ventre. A gente conversa com os acompanhantes sobre a alimentação adequada, direcionada para a idade da criança, orientando que essas adequações irão impulsionar a melhora. Em 90% dos casos os responsáveis escutam nossas recomendações sobre a conduta dietoterápica”, complementa Carla.

A responsabilidade de avaliar o que está sendo ofertado aos usuários do Hospital da Criança também é compartilhada com a nutricionista Suzana Oliveira Brabec, ela explica as estratégias para deixar a comida mais atrativa aos olhos das crianças. “Em relação à ludicidade, pensamos, sobretudo, nas crianças que passam muito tempo aqui. Nas datas especiais, como aniversários, avaliamos o cardápio junto à empresa para que alguns pontos sejam flexibilizados. Nessas ocasiões, as crianças desfrutam de cupcakes coloridos que são adequados à condição de saúde delas, uma forma de romper com a monotonia alimentar”, relata a nutricionista.

A equipe da unidade infantil é interdisciplinar, composta por médicos, profissionais da enfermagem e outras especialidades que contribuem de maneira coletiva e integrada para a recuperação das crianças em estado nutricional comprometido. 

por Agência Sergipe

Comentários comentar agora ❯