Olhar do Turismo – Por Fabrício Vasconcelos

Olhar do Turismo – Por Fabrício Vasconcelos

Um convite ao lazer, cultura e informação

Postado em 18/07/2017 08:49

Relatos curiosos de turistas em Penedo-AL que alimentam nossa imaginação

Receptivo Tour Penedo - Márcio Felipe
Relatos curiosos de turistas em Penedo-AL que alimentam nossa imaginação

Penedo-AL, um município com construções seculares e repleto de histórias para contar. Apesar dos registros documentais disponíveis nas bibliotecas e internet, temos muito a aprender com a tradição transmitida oralmente de uma geração para outra, em forma de contos, lendas, canções e etc.


E nesse ritmo, é interessante complementar os fatos narrados por visitantes e turistas à bela igreja Nossa Senhora da Corrente (nome dado, devido uma imagem conhecida por segurar uma corrente em suas mãos). O mesmo nome desta igreja é conhecido no plural – Nossa Senhora das Correntes (devido as correntezas do rio São Francisco que, em determinadas épocas do passado, destruía a pequena capela, até que foi feita uma promessa de construção de uma igreja, naquele mesmo lugar e com este nome, para assim, o rio não poder levá-la à ruína).


Percebi o quão importante é, fazer essa associação dos relatos dos turistas como forma de motivar outras pessoas a conhecerem o local de perto e, também, instruir sobre a preservação do patrimônio. Até porque, o turista que se encanta com a história do lugar visitado, faz propaganda gratuita.


Num certo dia, estava conversando com uma pessoa que já trabalhou na igreja da corrente (pediu sigilo) e me contou suas conversas com os turistas que foram a este ponto de visitação; uns motivados pela curiosidade e outros pelo medo, relatos a serem abordados a seguir:


...dentro da igreja tem um cubículo que servia para esconder os escravos quando fugiam das fazendas. Daí, uma turista galega (denominação para loira), que já tava vindo do museu do Paço Imperial, chegou perto desse cubículo e disse que estava sentindo a presença dos escravos e ficou se arrepiando...

Arquivo pessoal


Segundo a história, os donos da igreja eram abolicionistas e ajudavam os escravos a se esconderem de seus senhores, dentro deste cubículo, por um período de dois a quatro dias. O cubículo é um pequeno espaço, com porta camuflada, situado dentro da igreja.


...teve uma vez, um senhor que já tava na fronteira de Sergipe com Bahia, dirigindo o carro e contando a filha que na igreja tinha uma urna com os restos mortais da família Lemos, e ele trouxe a menina pra ver os ossos, só pra satisfazer os gostos dela...


O próximo relato é de uma peregrina que estava passando por Penedo, rapidamente, por um motivo não menor que o medo. Entenda o porquê:


... outro dia veio uma senhorinha dizendo que tinha que sair rápido de Penedo. Ela disse que se a corrente, que fica nas mãos da santa, cair, a cidade vai afundar e encher de água. É sério, ela tava morrendo de medo. Ela é de lá do interior...


Estes são apenas relatos que você pode tirar suas próprias conclusões. Tenho certeza que existem muitos outros, e você, tem algum para nos contar? Escreva nos comentários que já estamos curiosos.
 

http://maistour.com.br/
@maistour
82 99674-8900

 

Publicidade

  

Comentários comentar agora ❯

  • Ana Paula Pontes Nascimento Acho que sei quem é essa pessoa, ela também me contou muitas histórias Rsrsrsr "Num certo dia, estava conversando com uma pessoa que já trabalhou na igreja da corrente (pediu sigilo)". No momento não tenho lembranças das histórias que me contou. Mas sei de outras igrejas. No decorrer dos Artigos, na qual for referenciadas, eu conto. Bjos! E mais uma vez parabéns pelo belíssimo trabalho!!.
  • Fabrício rsrs.... Obrigado, Ana Paula.
  • Gladystone Santos Parabéns amigo, por nos enriquecer, com mais contos de nossa belíssima Igreja da Corrente. São muitas estórias construídas ao longo do tempo, mas como já dizia Raimundo Marinho. " Dizem que a história é feita de sonhos..." Então que bom termos a liberdade de sonharmos, e de colocarmos esses sonhos em prática, transformando-os em histórias. Mas vamos voltar as estórias, que são contadas com grandes enfases, aos nossos visitantes. Uma das mais interessantes, é a que : " Os moradores da Ladeira da Cadeia, Rua Dâmaso do Monte, diziam que nas madrugadas frias, ouvia-se barulhos de correntes, sendo arrastadas ladeira abaixo, em direção da igreja, e que ninguém nunca teve coragem de abrir suas portas ou janelas para espiar o ocorrido ". Se é verdade ou não, sei que os turistas adoram, de uma coisa tenho total certeza. O povo medroso ! Parabéns Fabrício !
  • Fabrício GLADYSTONE SANTOS, fico muito feliz por sua avalização. Logo você que vivencia o turismo em Penedo, realizando serviços de informação turística. Muito obrigado pelo comentário enriquecedor.