09 Outubro 2009 - 10:39

Saúde promove oficina para controle da hanseníase

Divulgação

A Secretaria Estado da Saúde promoveu nesta quinta-feira (8) uma oficina de capacitação para enfermeiros do município de Arapiraca. Eles receberam orientações sobre como atuar no controle da hanseníase, diante da ocorrência de novos casos. O encontro também teve como objetivo levar o tratamento da doença para o serviço de atenção básica através do Programa Saúde da Família (PSF).

Para a coordenadora estadual de controle da doença, Clodis Tavares, a capacitação de profissionais da área e a conscientização da população são requisitos básicos para o controle da doença. A enfermeira informou que a região Nordeste é a de maior incidência e em Alagoas, os serviços de prevenção têm contribuído para a identificação de novos casos, de modo a avançar para o tratamento e a cura da doença mais rapidamente.

“Em nossa região, a média de casos com seqüelas chega a 12%, enquanto que a média nacional é de 8%. Eventos como este é de fundamental importância no controle da hanseníase. O Estado tem orientado e capacitado profissionais nos municípios, o que vem contribuindo para a diminuição dos casos, apesar de ainda altos. Acredito que, em 10 anos, poderemos ter a doença sob controle e não mais registramos novos casos”, disse Clodis Tavares.

De acordo com especialistas, o Brasil é o segundo país em casos de hanseníase. Por ano, são registrados uma média de 50 mil novos casos. Apenas a Índia supera este número, com 600 mil casos, embora proporcionalmente o Brasil apresente maior risco de se contrair a doença.

Referência — Em Arapiraca, de acordo com coordenadora municipal, Hilda Araújo, foram detectados 11 novos casos este ano. Ela informou que o município dispõe de serviço exclusivo para atendimento dos pacientes, vindos também de outras cidades. O município é referência no tratamento de pacientes com hanseníase e trabalha para ampliar o serviço à rede básica de atendimento.

Para a enfermeira Ellen Dias Lima, a capacitação dos profissionais da saúde certamente vai contribuir para a identificação e tratamento mais rápido da doença, evitando maiores complicações. “Com o aprendizado, poderemos contribuir para a cura mais rápida da doença”, considerou. A oficina para orientação ao combate a hanseníase aconteceu no auditório do Centro de Referência Integrado de Arapiraca.
 

por Ascom/Sesau-AL

Comentários comentar agora ❯